3 de dez de 2012

Entrevista com os Starks

No início desse ano, tive a oportunidade de entrevistar Richard Madden e Kit Harington, atores de Game of Thrones, a aclamada série original da HBO adaptada das Crônicas de Gelo e Fogo, de George R. R. Martin. A entrevista teve, à época, foco para a segunda temporada que tinha acabado de ser lançada, como fã dos livros e audiência certa nas noites de domingo da HBO, fui convidada pelo Game of Thrones BR para fazer a cobertura junto à Nathalie Jourdan.
Como a segunda temporada acabou faz tempo, relembrarei aqui apenas pontos interessantes da conversa com os atores sobre a série de TV e seus personagens. Assim, aproveitamos e nos distraímos enquanto esperamos a terceira temporada em  março de 2013!

Chegamos no hotel na orla do Rio por volta de 7h da manhã, mesmo com todos os compromissos marcados para depois de 10h. Pode até parecer cedo, mas já encontramos fãs esperando qualquer movimentação dos atores para fora do hotel, todos muito ansiosos (como nós!). Fomos direto para o andar reservado para a imprensa e, lá pelas 10h, Nathalie foi fazer as fotos. De acordo com suas próprias palavras, os dois já chegaram na sala arriscando um portunhol, uma mistura de "Hola/ Olá" que só demonstrava a simpatia e o bom humor com que receberam os fotógrafos!
Daí pra frente, ficamos na sala de imprensa. Eu esperando a mesa redonda e conferindo as fotos com a Nah enquanto passava o primeiro episódio da segunda temporada sem parar! Por volta da hora do almoço, tanto Richard quanto Kit desceram para dar alguns autógrafos e pra me deixar ainda mais nervosa antes da entrevista! Foram muito simpáticos e atenciosos com todos, se mostrando tão felizes quanto os fãs de estarem vivendo aquele momento.

Enfim 15h chegou e eu ainda não estava acreditando que estava mesmo ali, prestes a entrevistá-los. Fui para uma das salas onde aconteceria a mesa redonda para entrevistar Richard Madden com um grupo de jornalistas de vários lugares da América Latina.Uma das primeiras questões colocadas foi a audácia dos diretores em cumprir com o que era prometido na primeira temporada (correspondente ao primeiro livro, "A Guerra dos Tronos") e a morte daqueles que todos consideravam o personagem principal:

Eu adorei isso! Como ator, é ótimo porque não se encaixa naquela linha convencional de mocinhos e vilões, final feliz... Tudo pode mudar todo o tempo e é isso que é tão bom! As pessoas são mortas, mas isso é tanto pros caras 'maus' quanto pros mocinhos. Então não é aquilo 'ah, todo mundo morre', sabe? As pessoas que você odeia também são mortas e isso funciona, torna  as coisas mais realistas, mais humanas. Pessoas morrem, pessoas seguem em frente e reagem a essas coisas. Cada morte no programa preenche uma nova parte da história, muda um personagem. Para Robb, a morte de seu pai muda toda a sua vida, então a história não seria o que é sem esse evento. São essas coisas que George (R. R. Martin, autor da série) faz de forma tão brilhante!  
Sempre com muita simpatia e um sorriso no rosto, Madden vê a série como 'universal':
A série pode ser relacionada a qualquer um em um nível tão humano... É um drama político, é sobre humanos e sua forma animal mais crua. Eu acho que a audiência americana, audiência latina ou a britânica, todas podem se relacionar a isso, esses elementos humanos. O que nos impulsiona, ganância? Ou luxúria e desejo por poder? Eu acho que essas coisas são universais e, na série, você vê isso de forma bem crua. É por isso que todos tem algo que podem relacionar a Game of Thrones.
Falando sobre o detalhamento da produção (que se passa em tempos medievais), nos voltamos para o aspecto mais evidente, o figurino:
Os figurinos são maravilhosos! São quatro da manhã e eu estou com couro e pele e mais couro... E estou 'chega, está bom!', sabe? (risos) Demora mais ou menos 45min pra vestir tudo e você pensa 'não posso nem me vestir sozinho', tem tanto a fazer, é tudo muito pesado e fica ainda mais pesado, mas eu gosto disso. Em termos da minha atuação isso é bom, muda minha postura, a forma como ando, então compõem meu personagem e me ajudam a construir o Robb. Essas coisas que podem ser um grande esforço acabam se tornando realmente muito úteis, só não me peça para montar um cavalo quando estou usando o figurino, porque não dá pra fazer isso! (risos) Você não vê pessoas montando e desmontando cavalos com muita frequência no seriado, você as vê prestes a fazê-lo e, depois, já está feito, o figurino é realmente muito pesado! 
Richard também comentou sobre a diferença que é sair de projetos pequenos (ambos os atores trabalharam em produções bem menores antes de estrelarem com a gigante HBO) para grandes sets, dizendo que toda a equipe da HBO é excelente e muito receptiva. Comentou também sobre a peculiaridade de conseguir trabalhar um personagem por tanto tempo quanto ele está desenvolvendo Robb. O ator se disse que esse tempo foi crucial para conhecer intimamente seu personagem e compreender verdadeiramente seus relacionamentos e atitudes.

Logo depois, mudei de sala junto com os jornalistas que estavam no meu grupo e fomos encontrar Kit Harington, o tão adorado pelos fãs, Jon Snow. Começamos a conversa falando sobre os olhos tristes que seu personagem estava expressando no pôster enorme da sala e ele, com uma certa timidez e muita simpatia, disse não ter sempre olhos "de cãozinho", mas confessou que essa qualidade introspectiva e triste de Jon foi o que o impulsionou no desenvolvimento primário de seu personagem. Como Madden, Harington também nunca tinha se envolvido em uma produção tão grande e diz que teve insônia antes do primeiro episódio ir ao ar, em 2011:
A gente não tinha muitas expectativas. Bem, esse é meu primeiro trabalho na TV e é um dos primeiros do Richard e de muitos outros. Eu acho que estávamos tão entusiasmados por ser parte de uma produção da HBO, que era algo tão diferente de tudo o que já fizemos, que nós nem esperávamos que fosse sair! Nós estávamos filmando e  tudo era maravilhoso e um dia eu pensei 'meu Deus, vai ser lançado... As pessoas vão assistir e vão julgar... Será que irão gostar, ou não?' e daí eu comecei a ter insônia pensando que isso tudo poderia ser um grande sucesso ou um grande fracasso! Nessa indústria você nunca sabe se está indo bem ou não e eu pensei que eu queria, pelo menos, agradar aos fãs dos livros. Se conseguíssemos que todos os fãs dos livros vissem, teríamos uma audiência considerável e o fato de termos ido além, que pessoas que nunca leram os livros estavam assistindo foi uma honra tão grande! Foi o sinal de que estávamos fazendo alguma coisa certa.
A produção, segundo ele, não se preocupa puramente em retornos financeiros e faz as coisas 'como devem ser':
Gastam muito dinheiro com essa série, fazem as coisas como devem ser e te tratam muito bem. Se preocupam com o trabalho que fazem, não só em tirar lucros daquilo, se preocupam com a produção criativa, acreditam que o retorno vem ao criar produções incríveis. (...) Não desistiriam de um show, em maior parte, por números, iriam cancelar porque não acreditam mais no projeto criativamente. Acho que é uma maneira muito sábia de adentrar no universo da televisão e do cinema.
Uma jornalista argentina observou que todos são bem jovens na produção e fez uma pergunta inusitada:
Pregar peças? Sim, fazemos isso! Adoramos fazer isso uns com os outros. Uma vez pregaram uma horrível em mim, Dan e David (os roteiristas). Na primeira temporada, eu estava chegando no set e havia uma cena em que eu luto com um zumbi e ele pega fogo. Eles me mandaram reescrituras do roteiro que diziam 'Jon Snow tem seu rosto terrivelmente queimado, seu nariz e olhos são severamente queimados... Comandante Mormont se afasta em aversão à sua face permanentemente arruinada'. Então eu estava lá, lendo isso e pensando 'então terei que usar maquiagem protética por anos...'. Cheguei no set e liguei pra minha mãe e disse 'mãe, querem destruir o meu rosto!', sabe? (risos) Quer dizer, pode ser uma coisa boa, uma coisa do personagem, mas é uma grande coisa, sabe? Então eu virei pra eles (os roteiristas) e disse 'ok, posso fazer isso, qualquer coisa que vocês quiserem, eu topo' e eles começaram a rir! Eu passei a manhã toda me martirizando pensando que Jon Snow não teria mais nariz, lábio superior ou orelhas...
A conversa continuou por mais algum tempo, mas como disse, o foco aqui vai ser mais geral mesmo. Fiquei mais quatro horas e meia com um grupo de fãs na porta do hotel esperando os atores que iriam sair para jantar. Mesmo arrumados prestes a sair, deram uma paradinha e falaram com cada um da fila individualmente. Tanto Kit quanto Richard foram muito simpáticos, delicados e atenciosos e os funcionários da HBO foram excelentes em todos os sentidos. Muito obrigada pela oportunidade mais uma vez, Game of Thrones BR e fico feliz em poder selecionar partes da entrevista para o Resumo de Letras :)

Lembrando que As Crônicas de Gelo e Fogo são publicadas no Brasil pela Editora Leya e todos os cinco livros já publicados se encontram traduzidos para o português e estão sendo comercializados.
A entrevista original direto do site em que foi postada se encontra aqui.

Para aqueles ansiosos com a terceira temporada, aqui está o clipe "in production" que a HBO liberou ontem (em inglês):


Por Ju Oliveira

0 comentários:

Postar um comentário