28 de mar de 2013

Resenha: Conversas com Almodóvar

Conversas com Almodóvar

Informações:

Título original: Conversations avec Pedro Almodóvar
Tradução: Sandra Monteiro e João de Freire
Páginas: 312
Formato: 16x23cm
Lançamento: 31/07/2008
ISBN: 978-85-378-00091-1
Preço:  R$49,90

Sinopse:
Não há frequentador de sala de cinema no mundo que não conheça Pedro Almodóvar. Desde a escrita do roteiro até a escolha dos menores detalhes, ele é autor completo de seus filmes e trouxe para a sétima arte um estilo inconfundível, marcado por temas polêmicos e uma estética kitsch. Em Conversas com Almodóvar, construído a partir de uma série de entrevistas que o crítico de cinema Frédéric Strauss fez com o cineasta ao longo de mais de vinte anos, Almodóvar nos revela como compõe cenários e figurinos e tira proveito de músicas para realçar situações dramáticas. O leitor vai descobrir o que há de autobiográfico em sua obra, quais seus filmes e livros preferidos, a razão de privilegiar as personagens femininas e transformar radicalmente valores ligados a família, fé e sexualidade. Tocantes, impetuosas, irônicas, imprevistas, inteligentes – todos esses adjetivos se aplicam às palavras de Pedro Almodóvar nessas conversas. O livro inclui textos de Almodóvar, uma bela seleção de fotos e sua filmografia completa.

Por Ju Oliveira:
Ganhei Conversas com Almodóvar de uma amiga depois de muito dizer que prefiro ele ao Tarantino (naquela febre do último filme, Django Livre, sabe?). Sim, eu tenho alguma ressalva com ele e seu estilo. Não é ruim, só não é pra mim. Provavelmente pra me fazer parar de criticar o Tarantino, ela resolveu me dar um livro sobre um diretor que adoro (!!!), Almodóvar. Ele é, do início ao fim, cheio de passagens do próprio, entre entrevistas e desenhos de alguns de seus filmes.
Adorei o presente e, olha, os filmes dele se tornaram ainda mais profundos depois de ler esse livro. Há algo de autobiográfico, por menor que seja, em cada uma de suas obras. É tudo muito visceral, bem como a intensidade das respostas que Almodóvar dá. É bom, é reflexivo, é instigante e tira alguns das zonas de conforto habituais. Claro, há também passagens que podem até ser chatas para aqueles que não gostam ou não entendem do processo do "fazer cinema", mas, ao mesmo tempo, pode ser até instrutivo!
Tenho uma queda pelos filmes do diretor, então pra mim fica fácil achar o livro interessante. O mais engraçado é a vontade de ver ou rever os filmes citados. A paixão pelo cinema que o cineasta demonstra em Conversas acaba tocando o leitor, fazendo-o ter vontade de compreender os comentários, revendo os filmes e analisando novamente as imagens pelos olhos do diretor.
Muitas vezes o ponto de vista de Almodóvar fica bem claro, porque é o próprio quem está escrevendo. Há determinados pontos do livro que ele mesmo escreveu, falando de seus filmes e dando uma perspectiva ainda mais íntima das obras cinematográficas. A produção, como podemos verificar no livro, quase sempre não têm glamour (ouso dizer que não têm, mesmo), mas sim muitos desafios e dificuldades. Vemos o caminho do espanhol desde seus primeiros filmes e o que o motivou a seguir o cinema, mesmo enfrentando os problemas que enfrentou filmando seu primeiro longa. Tudo acaba sendo limitado e precários nos primeiros anos de um cineasta, mas, como podemos constatar, Pedro Almodóvar consegue ultrapassar essas limitações impostas e nos apresentar cinema de alta qualidade!
Gostei muito do livro e, principalmente, de ter a visão interna não só da motivação para os filmes, mas também dos significados, inspirações e desafios do diretor.

Um comentário: