27 de jan de 2012

Lançamentos da semana: Editora Rocco

Confira alguns lançamentos desta semana pela editora Rocco:

Livro: O ERRO DE GLOVER
Autor:
Nick Laird
Tradução:Maira Parula
ISBN:978-85-325-2723-3
Páginas:272
Formato : 14x21
Preço : R$ 39,50


Sinopse:

David Pinner é homem arredio, que tem consciência de sua insignificância. Uma vez um vibrante estudante de Artes, David atualmente é um professor universitário que destila cinismo no blog The Damp Review. Escrevendo sob a proteção de um pseudônimo, ele fala sobre o que lhe vem à telha, particularmente sobre artes plásticas, área na qual revela suas frustrações, refletidas em duras críticas virtuais. Frequentador contumaz de vernissages, David vai à abertura da exposição de obras de Ruth Marks, uma feminista americana que foi sua professora há muitos anos. O interesse despertado pelo reencontro deixa David desnorteado e, claro, interessado em aprofundar a amizade recém-criada. Mas a frustração ronda novamente a vida do professor quando Ruth mostra interesse não por ele, mas pelo colega de quarto de David: o belo, jovem e casto James Glover. É ele quem dá título ao thriller psicológico O erro de Glover, do premiado escritor irlandês Nick Laird.

Autor de dois prestigiados livros de poesia e de um romance, Nick Laird é hoje um dos destaques da vibrante cena literária irlandesa. Casado com a também escritora Zadie Smith, Laird aborda, em seu quarto título e primeiro a ser publicado no Brasil, questões que lhe são caras – a amizade masculina, a lealdade e o amor constantemente postos à prova. E, dessa vez, Laird leva o assunto para um nível mais profundo de introspecção, potencializando a discussão sobre os sentidos do amor num mundo ditado por vaidade, cinismo e individualismo. Blogs, mensagens de texto, celulares e e-mails também ganham destaque na trama, já que as ferramentas determinam ou interferem no ritmo e no rumo do relacionamento dos protagonistas.
No livro, o jovem colega de apartamento de David cometeu um dos maiores erros de sua vida: corresponder ao interesse de Ruth por ele. Ambos se conhecem por intermédio do professor universitário, que convida a artista para visitá-lo. David, que pela primeira vez se vê como ator principal de seu próprio show, passa, em segundos, a coadjuvante do romance de James e Ruth. David percebe, então, que, por mais que tente, volta sempre a ocupar seu lugar preferencial: o da insignificância.
David estabeleceu uma convivência visceral com Glover durante a estada deste em seu apartamento. Ele não percebe, mas talvez ame Glover e a relação entre eles: a cumplicidade leve e masculina, sem exigências, as conexões com um terminando a frase do outro, a intimidade da dupla em todos os sentidos. E, com Ruth, David se vê num lugar iluminado e glorioso, ao lado de uma mulher culta, talentosa e inteligente. David pode ser igual a todos aqueles em que sempre descarrega seus ressentimentos no blog que escreve. É a chance de David: o melhor de dois mundos: Glover em casa e Ruth na cama. Ambos encantados com seus predicados. No entanto, a ciranda dos sentimentos é incontrolável: de uma só tacada, ele perde o afeto de Ruth e James. E se dá conta de que não há predicado nele: o que todos veem é uma pessoa cínica, apagada, desinteressante mesmo.
Mas David aprendeu a se proteger: o que veem nele como defeito, ele toma como habilidades. E vai usá-los para minar a relação dos pombinhos. Seu cinismo e o fato de todos, em algum momento, o acharem digno de pena, irão permitir que ele manipule situações e mine a relação dos dois, encontrando em cada um deles sua própria carga de insegurança e ressentimento – como a neurose de Ruth com a idade avançada, com sua obra e com sua sexualidade dúbia, e o fervor religioso de Glover, aos 23 anos, um jovem que ainda vê o mundo de forma maniqueísta, preto no branco.
David vê o mundo em tons de cinza e, por isso mesmo, não se considera o único vilão da história: Glover, mesmo sabendo do interesse de David por Ruth antes mesmo de se relacionar com ela, foi desleal com o amigo e, sempre que podia, o humilhava mostrando sua superioridade como conquistador, tratando-o como um coitado. Ruth sempre percebeu a tensão entre ela e David, David e Glover e atiçava a rivalidade entre os dois, com frases cheias de acidez. Mantinha David por perto, como um animal de estimação que achava poder manipular. A dupla, no entanto, subestimou o professor, como todos costumavam fazer. E esse foi seu grande erro.

Leia um trecho neste link.



Livro: SOBRETUDO DE PROUST
Subtítulo: História de uma obsessão literária
Autor:
Lorenza Foschini
Tradução:Mario Fondelli
ISBN:978-85-325-2720-2
Páginas:112
Formato : 14x20
Preço : R$ 21,50


Sinopse:
A paixão de um homem por livros raros e manuscritos literários é o fio condutor de Sobretudo de Proust, de Lorenza Foschini. A autora retrata um personagem real, o francês Jacques Guérin, magnata dos perfumes que era obcecado pelo trabalho do escritor Marcel Proust. Lorenza, que é jornalista, decidiu escrever a história depois de entrevistar o figurinista italiano Piero Tosi, que conheceu Guérin durante uma viagem a Paris cujo objetivo era pesquisar lugares e eventuais locações para um filme do diretor Luchino Visconti baseado no livro Em busca do tempo perdido, de Proust.

Filho de Jeanne-Louise Guérin, uma corajosa mulher de negócios que era amante das artes e frequentava o ambiente dos artistas, Jacques sempre deixou claro que sua verdadeira paixão eram os livros raros e manuscritos, embora se dedicasse com sucesso à indústria de perfumes da família. Ele rejeitava o rótulo de bibliófilo e tinha orgulho de suas aquisições, como a edição original do Hérésiarquede Apollinaire, comprada quando tinha somente 18 anos. Com o passar do tempo, Guérin se torna um homem fascinante, requintado e culto.

Em 1929, o acaso coloca Jacques Guérin em contato com a família de Marcel Proust: ao passar mal durante o verão, ele é operado pelo cirurgião Robert, irmão do escritor. Fã de Proust desde os 20 anos, Jacques se encanta ao visitar o médico e descobrir, intactas, a escrivaninha e a estante que pertenceram a Marcel, bem como diversos cadernos manuscritos que trazem a obra completa de seu antigo dono. Após a morte de Robert, o colecionador compra os dois móveis, que mais tarde doaria ao Museu Carnavalet.

Com a morte do médico, Marthe Dubois-Amiot, sua viúva, é obrigada a deixar o apartamento onde moravam. Para se livrar do que achava inútil, ela manda queimar uma série de cadernos e papéis que pertenceram a Marcel Proust. Tanto ela quanto Robert achavam que certos textos do parente famoso, bem como sua homossexualidade e o desprezo pela respeitabilidade burguesa, eram motivo de vergonha para a família. Por isso, destruíram boa parte do material deixado pelo escritor antes de morrer. Felizmente, Guérin conseguiu salvar algumas coisas, entre cadernos, objetos pessoais e o famoso sobretudo que acompanhou Proust durante seus últimos anos.

Graças a Jacques Guérin, parte da memória de Marcel Proust foi preservada. Fotos, cartas, desenhos, bilhetes, rascunhos e versões de obras como Em busca do tempo perdido chegaram ao século XXI e podem ser admirados por quem lhes dá valor. Por mais de meio século, Jacques manteve escondidos seus tesouros. Morto em 6 de agosto de 2000, ele começou a vender sua extraordinária coleção oito anos antes. Uma réplica do quarto de Marcel Proust, com móveis e objetos doados por Guérin, pode ser vista no Museu Carnavalet, com a mesma arrumação que tinham no apartamento onde o escritor passou seus últimos anos. O emblemático sobretudo, entretanto, não está em condições de ser exposto e permanece guardado em uma caixa.



Livro: DOCE E DISTANTE
Autor:
Libba Bray
Tradução:Sonia Coutinho
ISBN:978-85-7980-077-1
Páginas:688
Formato : 14x21
Coleção : Rocco Jovens Leitores
Preço : R$ 79,50


Sinopse:
Qual é o maior medo e o maior desejo de uma menina? Esta é a pergunta que a personagem da trilogia Gemma Doyle, da norte-americana Libba Bray, terá de responder neste último e revelador volume da série. A protagonista se envolve em uma nova trama que mistura segredos de família, sedução, mistério e escolhas nada fáceis.
Herdeira de um dom sobrenatural – visões do futuro que vêm como advertências e anunciam episódios indesejados – Gemma se vê diante de um conflito intrigante após descobrir a ligação de sua mãe com uma misteriosa e antiga seita conhecida como a Ordem. Com uma boa dose de suspense, Libba Bray mantém a tensão permanente que conquistou os leitores nos primeiros livros, Belezas perigosas e Anjos rebeldes, guardando uma surpresa a cada página.

Agora com 17 anos, a jovem encontra dificuldades em lidar com os poderes, o sentimento de solidão – desde a trágica morte da mãe no dia do seu aniversário de 16 anos – e a responsabilidade que recai sobre ela. Gemma desconfia dos integrantes da Ordem autoritária e do Rakshana, assim como seus supostos aliados nos Reinos.

Com uma trajetória emocionante, a “desajustada” aluna da tradicional escola para moças Academia Spence conta com a ajuda de amigos para tentar desvendar e dar sentido às visões premonitórias, aos desentendimentos com familiares, aos misteriosos acontecimentos nos Reinos e sobre seus sentimentos por Kartik.

Doce e distante é uma leitura prazerosa e comovente para quem ainda não conhece e para quem já se rendeu às “belezas perigosas” escondidas no coração e na mente dessa personagem encantadora e à frente do seu tempo.




2 comentários:

  1. Sou louca pra ler essa série da Libba Bray (porque adorei Louco aos poucos), mas os livros são bem caros :(
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Só curti o último livro :/

    ResponderExcluir